Reynaldo-BH

31/12/2014 às 19:18

Pedro, este debate proposto por você daria um cuidadoso e desapaixonado estudo.
A LEGITIMIDADE democrática não é a fórmula mágica que tudo perdoa ou permite.
Quem pode dizer que não foi LEgÍTIMA a eleição de Hitler, Mussolini, e dos políticos da Arena (de dolorosa memória) visto que foram obtidos nas urnas?
LEGITIMIDADE não é um instante. É compromisso. Com um ideário político e com uma proposta eleita pelo povo como a majoritária.
(só uma correção: não some aos 52% de Dilma – que você cita – os votos nulos e em branco. Se somados (e é LEGÍTIMO que esta manifestação aconteça), Dilma tem muito menos do que você alardeia).
Não enxergo LEGITIMIDADE no filho de Jader Barbalho. Nem no pastor dos R$ 600.000,00. Kátia Abreu é a antítese de tudo o que o PT pregou. Joaquim Levy, aluno de Fraga. Cid Gomes como ministro da Educação? O vereador de SP , recordista em processos, à frente do Ministério dos Transportes?
POR QUE – em nome da LEGITIMIDADE – isto não foi dito antes?
Legitimidade não é marca a ferro e fogo. É dada. E retirada. Basta que se descubra – por exemplo – que foi fruto de uma farsa. Não é o caso?
Não nego a LEGALIDADE da eleição de Dilma.
Mas, ela mesma fez TUDO o que podia para perder a LEGITIMIDADE que tinha.
Agiu como dizia ser o pecado maior dos opositores. Segundo ela, “nem que a vaca tussisse” ela iria alterar QUALQUER benefício dos trabalhadores.
A vaca tussiu.
E a tabela de correção do imposto de renda foi vetada. O saco de maldades conra estudantes, aposentados, pensionistas e desempregados, assumido como “correções”.
Ha coisas na vida que são indfensáveis. Frente aos fatos.
Uma presidente reelita que precisa de caravanas de petistas para aplaudi-la (2 meses após a reeleição) por si mesma sabe que não está legitimada no cargo.
Não sou eu quem digo.
Foi Dilma que assim escolheu.
Feliz Ano Novo, embora este desejo com o que temos pela frente possa parecer ironia.
Não é. É desejo mesmo.
Abraços.
Será que se os eleitores de Dilma soubessem ANTES das eleições destas escolhas.

Pedro Luiz Moreira Lima

1/1/2015 às 3:09

Querido Reynaldo:
Querer comparar as eleições que a Dilma ganhou dentro da legalidade,com amplo debate e comparar com Hitler e o Nazismo – lamento amigo nada existe de comparativo e aí fica até difícil de dialogar.
Jamais apoiaria um Regime Nazista ou próximo dele – meu apoio a Dilma ao sue governo passado e agora presente – é uma certeza absoluta que a DEMOCRACIA,LEGALIDADE e finalmente um GOVERNO EM DEFESA DO POVO BRASILEIRO.
Respeito sua oposição mas não há nenhuma, mesmo a minima,

aproximação dos GOVERNOS LULA E DILMA COM O NAZIFASCISMO, as letras maiúsculas não é UM GRITO e sim NEGRITAR.
Feliz Ano Novo e FELICIDADES a TODA SUA FAMÍLIA
Pedro Luiz

Anúncios