Relatório da CNV: sócios alemães pedem que Siemens explique envolvimento com ditadura brasileira

Felipe Amorim | São Paulo – 30/01/2015 – 06h00

Em reunião anual de prestação de contas, grupo de acionistas pediu que a multinacional explicasse informação da CNV de que Siemens financiou Oban

Durante a reunião anual de prestação de contas da multinacional alemã Siemens, em Munique, um grupo de acionistas minoritários questionou a empresa por seu envolvimento com a ditadura militar brasileira (1964-1985). Ao exigir esclarecimentos, a Associação de Acionistas Críticos fez uso do relatório final da CNV (Comissão Nacional da Verdade), que cita a Siemens como uma das financiadoras da Oban (Operação Bandeirante), órgão da repressão que mais tarde daria origem ao DOI-Codi — o principal centro de tortura e morte do regime militar.

“O Conselho de Supervisão da Siemens se negou a investigar e esclarecer estes incidentes, nem mesmo tendo em vista o contexto do aniversário de 50 anos do golpe militar no Brasil. A Siemens deve encarar sua responsabilidade histórica e admitir os atos que cometeu”, assinala odocumento entregue pela associação e lido diante dos demais acionistas e diretores da multinacional na reunião da última terça-feira (27/01).

Leia também:
Sistema da Volkswagen para vigiar funcionários na ditadura foi criado por criminoso nazista
‘Treinou guerrilha em Cuba? Mata!’: jornalista explica critérios da ditadura com presos políticos

Divulgação/Associação dos Acionistas Críticos

Christian Russau [no telão], membro da associação, questiona diretores da Siemens em reunião anual de prestação de contas

O questionamento da associação se baseou no trabalho de investigação da CNV, cujo relatório final foi publicado no dia 10 de dezembro de 2014. Na página 320 do volume II do documento, a comissão escreve:

Ao lado dos banqueiros, diversas multinacionais financiaram a formação da Oban, como os grupos Ultra, Ford, General Motors, Camargo Corrêa, Objetivo e Folha. Também colaboraram multinacionais como a Nestlé, General Eletric, Mercedes Benz, Siemens e Light.

Ao expor o caso na reunião, Christian Russau, membro da diretoria da Associação dos Acionistas Críticos, acrescentou que relatos dão conta de que, no total, 66 pessoas foram assassinadas nas dependências do complexo Oban/DOI-Codi, entre as quais 39 morreram sob tortura — número também confirmado pelo jornalista Marcelo Godoy, autor do livro A casa da vovóbiografia sobre o centro de repressão paulista.

Leia também:
Empresários paulistas tentaram convencer ONG internacional de juristas de que golpe de 64 era legítimo
Elite econômica que deu golpe no Brasil tinha braços internacionais, diz historiadora
Revista ‘Fortune’ revela já em 64 elo entre empresários de SP e embaixada dos EUA para dar golpe

“Isto aconteceu há 40 anos. O que nos interessa é a Siemens hoje”, respondeu Gerhard Cromme, chefe do Conselho de Administração da multinacional.

“Você denigre a memória dos homens que morreram sob tortura. Isto é cínico”, replicou Russau, insistindo na importância de esclarecer as violações, ainda que ocorridas décadas atrás.

Anúncios