Dr. Moro, o senhor está dizendo que o STF pode ser corrompido?

18 de fevereiro de 2015 | 23:49 Autor: Fernando Brito

moro2

Registrou-se alguma tentativa de interferência do Ministro da Justiça sobre o Sr. Dr. Juiz Sérgio Moro?

Acaso José Eduardo Cardozo telefonou-lhe pedindo para “aliviar” alguém?

Seu trabalho – que não é o de acusar, mas o de julgar – foi obstaculizado por alguma ação do Ministério da Justiça?

Não.

Então, Dr. Moro, o senhor está cometendo os maiores pecados que pode praticar um Juiz.

O de falar sobre o que está fora do processo judicial aos seus cuidados.

Referir-se aos advogados dos réus como “emissários dos presos” é fazer uma redução criminosa do papel da advocacia.

Pretender que eles não possam discutir o procedimento do juízo e, até, suas decisões – desde que as cumpram – é manifestar uma visão autoritária da Justiça, própria dos absolutistas, que consideram o exercente do poder algo próximo de Deus, sobre quem não se permite dúvida ou discordância.

Coisa de tiranos, não de homens da Justiça.

O senhor, por acaso, tem a seu lado o acocoramento do espírito da liberdade que, um dia, já ficou de pé neste país.

Dizer que é necessária a manutenção de uma prisão preventiva para  “preservar a integridade da Justiça contra a interferência do poder econômico” é o mesmo que dizer que as instâncias judiciais acima da sua – porque, certamente, só o que erode sua independência é  o arreganho autoritário que lhe acompanha o narcisismo – são corruptíveis.

No caso, o Supremo Tribunal Federal.

É a ele que o senhor acusa de estar sujeito à “interferência do poder econômico”.

Mais especificamente,  chama de corruptível ao Ministro Teori Zavaski, a quem cabe apreciar, em segunda instância, suas decisões?

Porque é essa a exegese de suas palavras desabridas.

O senhor acha que o Ministro da Justiça, que não tomou sequer a providência de mudar a equipe de delegados que se refestelaram nofacebook em politicagem eleitoral, vai ser portador de pressões econômicas sobre os ministros do Supremo?

Porque é o Supremo, e  só ele, quem pode revogar suas decisões.

Se em relação a Cardozo é um delírio, em relação aos integrantes do STF é uma ofensa.

O senhor está fazendo, na prática, uma acusação à honra dos ministros do STF que, se tiverem brio, hão de lhe chamar às falas mediante simples representação.

Infelizmente, brio parece estar mais escasso no Brasil do que as chuvas.

Mas, apesar do avassalamento dos caráteres, haverá pessoas do povo, simples como eu, a perguntar-lhe: afinal, Dr. Moro, a quem o senhor está chamando de corruptor e de corrupto, além dos réus a quem o senhor, generosamente  – depois de te-los chamado de “bandidos profissionais” já perdoou-

A quem o senhor diz que haveria a malsinada “interferência do poder financeiro”?

Anúncios